Notícias
   

Prefeitura de Senador Cortes lança programa social pioneiro no Brasil

A Prefeitura de Senador Cortes lançou mais um programa social pioneiro no Brasil, trata-se do Cesta Cheia, Família Feliz. O Programa atende a 50 famílias em situação de risco social, favorece a agricultura local, promove a inclusão social com geração de renda e leva comida de qualidade para a população de baixa renda. Até o final de 2012 o objetivo é atender a 150 famílias.
As famílias vão receber quinzenalmente, uma cesta com dez quilos de alimentos, entre frutas, legumes e verduras, selecionados de acordo com a safra. Quem levar dez garrafas “pet” ou uma sacolinha de supermercado cheia com outras sacolinhas ganha meia dúzia de ovos. Os alimentos são adquiridos, pela Prefeitura, junto a pequenos produtores da região, com o auxílio da Emater e do Sindicato dos Produtores rurais.



O Prefeito de Senador Cortes, Hermínio Gutterres, explica que o projeto veio preencher mais uma lacuna social na cidade. “Esse programa além de ser uma exclusividade de Senador Cortes vai trazer mais qualidade para a mesa de muitas famílias carentes, que estão recebendo alimentos de alto valor nutricional. Temos uma política de assistência social muito bem planejada, estruturada e preparada para atender as demandas da nossa população. Trabalhamos intensamente para garantir qualidade de vida aos nossos cidadãos, contando com a ajuda da Câmara Municipal sempre emprenhada em votar leis de interesse social”.
Wellington Marcos Rodrigues, procurador jurídico do Município, esclareceu que esta foi mais uma forma que a administração encontrou para minimizar as diferenças sociais na cidade. “É o segundo programa lançado pela Prefeitura de Senador Cortes que busca fazer justiça social, sendo totalmente financiado com recursos próprios. Não é assistencialista é social, porque o que é do povo tem que voltar para o povo. E posso garantir que tanto o Cesta Cheia, Família Feliz quanto o Bolsa Cidadã vão continuar até o final deste mandato.”
De acordo com a Secretária de Assistência Social de Senador Cortes, Vanusa Ventura Barcelos, as famílias foram selecionadas conforme os seguintes critérios: possuir renda “per capita” de até R$140,00 por mês e ter membros com problemas de saúde, necessitados de alimentação especial, atestada por médico, como diabéticos e crianças desnutridas, por exemplo, bem como gestantes. O programa não é totalmente gratuito e cada beneficiado deve contribuir com R$4,00 para receber a cesta de alimentos. Na primeira entrega a contribuição foi dispensada pelo Executivo.
As famílias recebem uma cesta de taquara com os alimentos, um cartão de identificação, um calendário com as datas de entrega das cestas até dezembro e assinam um termo onde se comprometem a estar no local indicado para receber o benefício nos dias e horários determinados pela Administração, levando a contribuição e a cesta vazia para trocar pela cheia.
No primeiro semestre de 2009 a Prefeitura fez um levantamento completo da situação de todas as famílias do município, na zona urbana e rural. A pesquisa foi realizada pela Secretaria de Assistência Social e Habitação (SASH), com apoio da Secretaria de Saúde - os questionários foram aplicados pelos agentes do Programa de Saúde da Família. “Após avaliar as necessidades da população mostradas no resultado da pesquisa, estabelecemos metas para que os problemas pudessem ser equacionados, proporcionando melhores condições de vida para a comunidade”, esclareceu a Assistente Social da Prefeitura, Alline Gonçalves Portella.
Entre os beneficiados o clima é de confiança e alegria. A dona de casa Selismar Lopes Afonso, 47, está satisfeita em entrar para mais um programa social da Prefeitura. “Sou viúva e tenho cinco filhos, quatro moram comigo, o Cesta Cheia vai ser ótimo, vai garantir a alimentação da família com coisas saudáveis, e com R$4,00 eu não ia conseguir comprar tudo que é oferecido”, afirma.
Nilza Justino de Oliveira, 36, mora em pregos, paga aluguel e vive de fazer palitos de bambu. Na sua casa moram quatro pessoas e, segundo ela, a cesta chegou em boa hora. “Vai ajudar muito. A quantidade de coisas que vem dura bem os 15 dias e a comida para os meus filhos vai ficar mais nutritiva.”
A primeira beneficiada a receber a cesta foi a costureira Aparecida de Fátima Oliveira, 38. Ela mora com o pai e mais quatro filhos pequenos e comemorou a ajuda. “Meu pai tem 85 anos e vive com problemas no coração, essa ajuda é muito bem vinda, os alimentos são de ótima qualidade, bem escolhidos e variados. Vão fazer a diferença na nossa mesa”. A opinião é compartilhada pela dona de casa Ana Paula Borges de Oliveira Alves, 30, que tem quatro filhos com idades entre 20 dias e 11 anos. “Meu filho menor ainda mama no peito e os outros estudam. A cesta vai ajudar a ter uma alimentação melhor.”
“Essa cesta é uma benção, com R$4,00 não dá comprar nem dois quilos de batatas.” A opinião é da dona de casa Rozane Aparecida Afonso Pena de Oliveira, 27. Ela conta que perdeu a visão de uma vista e tem sérios problemas em outra, portanto não consegue trabalhar, e garante que a cesta vai melhorar a alimentação da família. “As coisas são muito caras e quando não dava para comprar verduras, legumes e frutas, que era quase sempre, a gente ficava sem, agora isso vai mudar”, afirma.
Sebastiana da Glória Arruda, 60, é aposentada e vive numa casa com mais três pessoas, ela comemora a chegada do benefício. “Sou diabética e hipertensa, não posso comer quase nada, e comprar esse tipo de alimento era muito caro, então ás vezes ou era pouco ou faltava, agora tenho comida barata, variada e melhor.” Débora Duarte de Oliveira, 26, é da mesma opinião. “Sou afastada pelo INSS, tenho dois filhos e necessito de alimentação especial. No mercado o preço é um absurdo, R$4,00 é muito mais em conta e a gente vai comer melhor.”


Bolsa Cidadã

O Cesta Cheia, Família Feliz não é o único programa social, pioneiro, desenvolvido pela Prefeitura de Senador Cortes. Em dezembro de 2009, o prefeito Hermínio Gutterres, fez a entrega do primeiro cartão do programa Bolsa Cidadã aos moradores da cidade. Trata-se de um projeto inédito de transferência de renda totalmente implantado e bancado por uma prefeitura municipal em todo o Brasil.
Os beneficiados, das 60 famílias contempladas, todas em situação de risco social, receberam um cartão magnético e todo dia 20 de cada mês podem retirar, no banco, a quantia de R$50,00. O benefício está garantido até dezembro de 2012.
Hermínio Gutterres esclarece que a Bolsa Cidadã foi a forma encontrada pela Administração para promover transferência de renda e diminuir a desigualdade, além de dar autonomia ao cidadão.